quarta-feira, 8 de março de 2017

O QUE É A MISTIFILMES

A Mistifilmes se dedica desde 1975 ao cinema artesanal.
Cinema artesanal é um cinema feito para pequenos públicos, com recursos simples e com voluntários, veiculando mensagens personalizadas. É um conceito de cinema que aprendemos a fazer desde o tempo do super 8.
Nossos trabalhos não têm finalidade de lucros financeiros ou de atingir grandes públicos ou mídias como televisão e circuito de cinema comercial. Trabalhamos para pequenos públicos, específicos, e nossa missão é ampliar a consciência das pessoas para os valores da vida humana, o respeito ao próximo, a natureza e o contato intimo com Deus, em suas infinitas manifestações. Utilizando a linguagem simbolista na maior parte de suas manifestações, a Mistifilmes se dedica também à luta pelos valores ecológicos do planeta desde os anos 70, valorizando ainda a cultura hippie. O lema "Espiritualidade e Arte" é um dos baluartes do Grupo Mistifilmes, que visa preservar para a posteridade a imagem de pessoas, culturas e regiões.

Conheça a História da Mistifilmes


O FILME SUPER 8

Para compreender o nascimento da MISTIFILMES é preciso saber como era o cenário do cinema e dos filmes nos anos 70, quando o video cassete ainda não existia. As bitolas de cinema existentes até o ano 70 eram: 70 mm - 35 mm - 19 mm - 16 mm e 8 mm e o super 8 mm. As bitolas de 70 e 35 mm pertenciam ao cinema comercial às grandes produções; o filme 19 mm foi largamente explorado na televisão. A bitola de 19 mm, por suas formatação, adequou-se muito bem à tela da TV, sem perda de imagem. A bitola de 16 mm, utilizada tambem para o cinema e televisão, sempre serviu para atender a uma escala de amadores ou de pequenos grupos de trabalho não comerciais; muito prático e barato, foi largamente explorado para propagandas e por empresas em suas filmagens institucionais.
A partir do filme 16 mm veio o de 8 mm, nascido no final da década de 50, que servia para o uso de amadores, e consistia na utilização do filme 16 mm em duas etapas.
O filme era sensibilizado de um lado, e em seguida do outro, proporcionando duas trilhas de imagens; quando de seu processamento, a película era cortada ao meio, propiciando o filme de 8 mm, com perfuração unilateral. Alem de baratear o custo de material, o 8 mm permitia que se fizesse exibições para pequenos auditórios, em vista dos equipamentos de pequeno porte exigidos, tendo por isso se popularizado no uso doméstico. Mas as grandes perfurações, provenientes de um filme de 16 mm, fazia com que a area útil do filme não fosse bem aproveitada.
Na década de 60, surgiu então o Super 8, um aperfeiçoamento do filme 8 mm, com perfuração menor, mais adequada a largura da fita, comercializada em cartuchos de segurança padronizados, propiciando quase 30 por cento a mais de área útil de imagem.

Sua praticidade de uso, seus equipamentos semi portáteis, de custo acessível, leves, permitiam que qualquer pessoa leiga, sem conhecimentos artísticos ou técnicos pudessem produzir suas próprias imagens sem grandes complexidades. Depois, com o advento do filme super 8 sonoro, esta bitola ganhou grande espaço em todo o mundo, concorrendo com a fotografia. Com uma qualidade de imagem relativamente boa, podia ser utilizada em exibições para pequenos auditórios e tornou-se, na décadas de 60 e 70 o cinema doméstico, instrumento de comunicação dos artistas.
Grandes cineastas dele se utilizaram, destacando-se os brasileiros Glauber Rocha e José Mojica Marins. O Super 8 passou a permitir a criação de filmes sem gastos excessivos para os artistas amadores, e devido a sua facilidade de manuseio, foi possivel a qualquer pessoa tornar-se um cineasta, criando trabalhos subjetivos. Foi a época em que bastava "uma câmera e uma idéia na cabeça" para se criar um filme.
Na década de 70 muitos festivais de super 8 foram realizados no Brasil. Porém, com o advento do video cassete no inicio dos anos 80, o publico domestico - que filma sogro, filhos, parentes, viagem - abandonou o super 8 e partiu para o video. Pouco a pouco o material foi escasseando e depois de 1989 só passou a ser disponível no exterior, o que dificultou muito a sua utilização.
O que fez com que o Super 8 fosse lentamente se tornando obsoleto é que tinha custo elevado em relação as fitas de video cassete. No ano de 1986 por exemplo, uma fita de video VHS tinha o mesmo preço de um filme super 8 virgem com 3 minutos de duração. Só que a fita de video permitia duas horas de gravação. Por outro lado, havia vantagens do filme sobre a fita; a durabilidade do filme, por ser película, podia ser quase eterna. As fitas de video tinham vida curta, de no maximo dez anos ou menos, se não fossem devidamente armazenadas. O tempo mostrou que as fitas de video eram uma mídia problemática, que logrou a perda de muitos registros feitos no passado por aqueles que a utilizaram, enquanto os filmes super 8 permanecem ilesos a passagem do tempo.
Além disso, o super 8 tinha a facilidade na edição e montagem. Para a edição de vídeos, sempre era necessário uma mesa com equipamentos sofisticados e caros, o que inviabilizava muitas vezes sua utilização pelo amador para alguns trabalhos mais sofisticados que fossem alem dos registros domésticos convencionais.


A FUNDAÇÃO DA MISTIFILMES


A Mistifilmes foi fundada a partir da união de diversos artistas paulistanos, que na época se reuniram com a ideia de criar trabalhos temáticos próprios utilizando a mídia dos filmes super 8: 
Gercio Tanjoni – Ator de teatro, fotógrafo, poeta e amante da sétima arte;
Eduardo Sanches – Diretor e ator de teatro; 
Washington Morais – Intelectual e poeta, que já realizava experimentos pessoais em super 8 ; 
Carlos Soares Rosa - fotógrafo.
Ruth Veríssimo dos Santos – atriz e fotógrafa. 
Hércules Delmond - Ator, maquiador e artista plástico.


A filosofia do Cinema Artesanal foi criada a partir da máxima do super 8 – ‘uma câmera na mão e uma ideia na cabeça’; é um cinema mais subjetivo, feito para pequenos públicos, com recursos simples, mensagens objetivas, utilizando atores amadores e que trabalharam sempre voluntariamente, sem remuneração, fazendo a arte pela arte. 
As locações eram sempre obtidas por negociação, e os custos dos filmes se resumiam ao material em si – filmes, revelações, etc. 
Os equipamentos de filmagem eram adquiridos de segunda mão, dado as dificuldades financeiras do grupo. Os filmes eram posteriormente dublados, pois o grupo não dispunha de câmeras ou projetores sonoros. 



GERCIO TANJONI

CARLOS SOARES ROSA

EDUARDO SANCHES


RUTH VERÍSSIMO



WASHINGTON MORAIS



HÉRCULES DELMOND


- Desde 1974 Gercio Tanjoni se dedicava a trabalhos fotográficos, e nessa arte vinha crescendo e se desenvolvendo em novas formas de expressão.
- Em 1975 juntamente com Carlos Rosa realizou alguns ensaios fotográficos que serviriam de preparação para ingresso ao super 8.
Um deles foi o ensaio fotográfico com Sílvio Cândido em 23 de Março de 1975 e outro com Eduardo Sanches em 26 e 27 de Abril de 1975.
A finalidade do grupo era realizar trabalhos de sua autoria, em caráter cultural, sem finalidades lucrativas, para discussão em pequenos grupos. 


Em 28 de Maio de 1975, Gercio e Eduardo concordaram em fazer um filme; foram acertados detalhes, convidadas pessoas, e surgiu "Caminhos", o primeiro trabalho da MISTIFILMES.














quarta-feira, 1 de março de 2017

Lançamento do filme "Vaidade"

Próximo lançamento da MISTIFILMES
Um filme produzido e dirigido por GERCIO TANJONI
Argumento e Roteiro de ELIZETE LEE
Direção Musical e Trilha Sonora de IGOR VERÍSSIMO





A que caminhos a Vaidade pode conduzir?
Quais as consequências do seu excesso?

Essas e outras questões ligadas a um dos sete pecados capitais é abordada no novo longa metragem produzido pela Mistifilmes, dirigido por Gercio Tanjoni, escrito e roteirizado por Elizete Lee e sonorizado por Igor Veríssimo.

Stella (Luzia Saragoça) viúva e mãe da adolescente Clara (Leticia Burgatti) é uma mulher vaidosa, que procura satisfazer-se com a ilusão de que não envelheceu. Alimentando sua vaidade, envolve-se com um rapaz muito mais jovem que ela, Henrique (Rodrigo Oliveira).

Muitos mistérios se escondem atrás desse relacionamento, que é percebido por Samira, uma cigana vidente (Sandra Guimarães). Apesar dos alertas que Samira tenta dar a Stella, ela se entrega cegamente à sua paixão, envolvendo-se numa trama complexa, que conduz o expectador a um final surpreendente.

Vaidade foi lançado recebendo o Certificado de Produto Brasileiro - MERCOSUL - ANCINE numero 13019558 em 13/09/2013




Assista a seguir os Takes de Lançamento do novo filme:





TRAILER DE LANÇAMENTO





terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Lançamento do filme HIPPIES







Neste mês de dezembro de 2015 a Mistifilmes lança seu novo trabalho. 
HIPPIES é acima de tudo uma homenagem aqueles que, acima da forma e dos dogmas, sempre guardaram dentro de si os preceitos de liberdade, da paz e do amor, herdados da geração que quis mudar o mundo. Envolto em lembranças do seu passado, Vitor toma a decisão de viver no estilo de um hippie dos anos 60 e 70, abandonando a cidade grande e indo morar numa comunidade rural.
Filmado na paradisíaca comunidade Hare Krishna de Nova Gokula.

Com Gercio Tanjoni, Elizete Lee e Antonio Tadeu.

Participação Especial de Maria Stella Splendore.











Take de lançamento





segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Lançamento "Alidje"

A MISTIFILMES lançou no mês de maio de 2012 seu média metragem ALIDJE, projeto realizado com o diretor de teatro Renato Alves.
O filme conta a história de Pedro, recém separado da esposa, que recebe de herança um apartamento do falecido tio. Dentre os vários pertences, há um inusitado - uma boneca de cera.
A partir do momento que Pedro a vê, várias situações conflitantes
são desencadeadas em sua vida.
Romance – Brasil, 2012
Direção: Renato Alves
Roteiro original: Gercio Tanjoni
Cenografia: Elizete Lee
Trilha Sonora: Igor Veríssimo
Duração: 48:15 minutos




 Abaixo, take de lançamento do filme:


Abaixo, trailer de lançamento do filme:



sábado, 28 de novembro de 2015

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

LIBERDADE

LIBERDADE é uma exaltação à fraternidade, apontada como única opção viável para o problema do alcoolismo. O universo de um alcoólatra é amplamente explorado no personagem representado por Washington Morais. Seus desajustes familiares, sociais e psicológicos se agravam diante de seu vício. Em meio a todo esse turbilhão de sofrimentos, duas pessoas se interessam em ajudá-lo, criando uma trama comovente.
LIBERDADE foi estreado com divulgação na imprensa e se constituiu no filme tecnicamente mais perfeito de toda a história da Mistifilmes.
Projetado para grandes públicos, onde era utilizado para discussão em grupo, LIBERDADE teve estréia no dia 6 de Maio de 1984 no auditório da Federação Espírita de São Paulo, para público de 700 pessoas.

Seu lançamento foi veiculado por vários jornais da capital como Jornal da Bela Vista, Metro News, Popular da Tarde, Folha Metropolitana, Noticias Populares, Jornal Espírita, O Semeador, sendo ainda citado no Anuário Espírita de 1984. 

 



LIBERDADE - TAKE DE RELANÇAMENTO from Mistifilmes on Vimeo.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

RESSURREIÇÃO

RESSURREIÇÃO


RESSURREIÇÃO foi o trabalho que lançou a Mistifilmes, na década de 1980, dentro do universo espirita. 
Num momento em que o grupo procurava direcionar suas ações para públicos específicos ao divulgar sua arte, RESSURREIÇÃO foi a oportunidade para que a Mistifilmes ficasse conhecida em todo o Brasil.
O filme RESSURREIÇÃO foi apoiado pela Federação Espírita de São Paulo, sendo projetado em diversos centros espiritas da capital e interior do estado.

Com um elenco de quase 50 pessoas, RESSURREIÇÃO mostra toda a passagem de um espírito desencarnado pelo plano espiritual, de acordo com as teorias kardecistas e os livros de Chico Xavier.
Milhares de pessoas assistiram ao filme RESSURREIÇÃO, pioneiro dentro do cinema espirita nacional, um verdadeiro sucesso de público,

Veja abaixo o take de relançamento de "Ressurreição" feito originalmente em super 8 e totalmente remasterizado em 2013. 



segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Relançamento "Realidade Paralela"


A Mistifilmes está relançando, totalmente digitalizado, o filme "Realidade Paralela", produzido em 1999, originalmente editado pelo sistema analógico, com master em Super VHS e HI 8.
A nova versão apresentará qualidade superior de imagem e som, pois a remasterização foi feita utilzando todos os copiões originais da época, que ficaram totalmente preservados. 




O DVD será lançado até o meio do ano, e deverá incluir alguns extras, como Take de Relançamento e Making of.


O vídeo foi roteirizado e dirigido por Gercio Tanjoni e teve como protagonistas principais Antonio Tadeu e Carlos Eduardo Campos, atores do Grupo Teatral Cervantes que já haviam trabalhado em "Rosa Perfeita" e "Vila Amizade".













Além deles, houve a participação de seis novos atores: Erick Romano, Nancy Marry Hutter, Alexandre Romignolo, Ana Paula Verissimo e Sonia Teixeira Pires e a participação especial da cachorrinha Sunny.



 "Há uma lenda indígena que diz que os espelhos refletem uma realidade inversa e paralela àquela em que vivemos.
A lição deixada pelo Doutor Sorrentino é logo assimilada pelo personagem Valter, que em pouco tempo aprende a viajar em sua realidade paralela.
Mas ele aprende que até para sonhar é preciso ter ousadia, e suas fraquezas acabam se revelando, ameaçando destruir a ponte que o interliga a esse mundo maravilhoso, onde os pensamentos, emoções e sonhos podem navegar livremente através das asas do espírito.”


Abaixo, Take de lançamento do filme, realizado em 1999 e já masterizado digitalmente:

domingo, 8 de novembro de 2015

O Homem Verde

Realizado em 2007, o filme "O Homem Verde" nasceu de uma história escrita por Carlos Roberto Ventura, artista, escritor, terapeuta e ecologista do Vale do Paraíba – SP.
Gercio Tanjoni e Elizete Lee escreveram o roteiro, e Igor Veríssimo Tanjoni compôs toda a trilha sonora, utilizando em alguns trechos performances musicais dos índios peruanos Miguel, Luiz e Willy, artistas da cidade de Taubaté.
 "O Homem Verde" mostra a luta interior do personagem Rhamur, espiritualista e preocupado com as questões ambientais, que decide abandonar o lar e a família e ir morar no meio da serra, onde recebe do filho apenas alimentos para sua manutenção. 

Participação Artística: Carlos Ventura, Henrique Campos, Vanessa Sinfães, Elizete Lee, Gercio Tanjoni, Igor Veríssimo, Erick Romano, Edson Prudente, Marlene de Fatima, Felipe Oliveira, Gabrielle Ferreira, Isadora Rattes, Fátima Magalhães, Claudio Magalhães.
Maquiagem e Cenografia: Elizete Lee
Direção e Filmagem : Gercio Tanjoni
Trilha Sonora e Direção Musical : Igor Veríssimo









TRAILER DO FILME


sábado, 7 de novembro de 2015

O MANTRA

Realizado em 2005, "O MANTRA" exalta a necessidade de ficarmos atentos ao chamado do consumismo e da degeneração dos valores humanos. Somente a espiritualidade e o amor podem nos libertar do feitiço fatal do mundo moderno, que através de seus produtos tenta impor a todas as pessoas um nível de controle que nem sempre pode ser percebido claramente por todos. Infelizmente o materialismo do ser humano frente a uma sociedade eminentemente consumista, leva à degeneração dos valores humanos.
É preciso enfrentar os instintos que trazemos dentro de nosso DNA, fazendo com que os valores efetivos triunfem definitivamente e vençam essa invisível batalha que travamos dia a dia dentro do nosso mundo.




Roteiro Produção e direção: Gercio Tanjoni
Trilha Sonora: Igor Verissimo Tanjoni
Narração: Leandro Barone
Participação artística: Antonio Tadeu, Regina Cunha João, Matilde Dias, Elizete Fernandes, Erick Romano, Carlos Eduardo Campos, Raquel Fantazia, Janete Fernandes Campos, Luciola Ribeiro, Gercio Tanjoni, Steicy Kelly, Guilherme Rattes, Henrique Campos e Eneas Andrade.






Veja abaixo o trailer do filme


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

O Encontro

Foi lançado nos dias 15 e 16 de Outubro de 2011 o filme "O Encontro", cujas cenas foram gravadas no final de 2009. "O Encontro" foi um projeto realizado juntamente com Varistha e sua esposa Shashimukhi, moradores da Comunidade Hare Krishna de Nova Gokula, em Pindamonhangaba, interior de S.Paulo, explorando a exuberante paisagem da fazenda onde se localizam e ainda a cultura dessa religião, que como todas as outras, tem seus próprios caminhos e propósitos de ligação com o Deus maior.
A trama do filme gira em torno do personagem principal (Gercio Tanjoni - nome artístico George Lee), que por motivos inusitados chega às portas da Comunidade e ali fica retido por alguns dias enquanto seu veiculo é consertado. Neste período ele vivencia uma experiência mística que transforma sua vida. Afinal, os caminhos para o encontro com Deus independem de religião ou crença, mas acima de tudo da evolução da espiritualidade de cada ser.





Abaixo, o take de lançamento do filme:


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Relançamento da Novela "Vila Amizade"

A Mistifilmes remasterizou a novela "Vila Amizade" produzida em 1993 com o selo da Mistivideo. O trabalho foi editado originalmente em mesa analógica, ficando por isso com a qualidade de imagem reduzida pelo sistema. A remasterização trouxe a tona todo o brilho e a qualidade das imagens, em alta resolução.
A remasterização durou tres meses, mantendo toda originalidade da sua produção e foi lançada no ultimo mes de setembro de 2011.

VILA AMIZADE mostra o cotidiano das pessoas que moram numa pequena vila. O local parece estar fadado a mudanças depois da chegada de Daniel (Roberto A.Marinho), rapaz que se torna o pivô de uma harmonia que se estende a todos os moradores. Sua amizade com Gilmar (Carlos Eduardo Campos) é provada de forma definitiva, quando encontra Márcia (Regina Cunha João), sua antiga namorada, agora esposa do amigo.
Até mesmo o Doutor Guimarães (Antonio Tadeu) homem sério e orgulhoso, e Dona Clotilde(Sueli Araujo) , uma viuva tradicionalista, teriam seus destinos modificados por diversos fatos, centralizados nas atitudes de Daniel.
VILA AMIZADE é um breve ensaio sobre a importância da amizade, da fraternidade, da solidariedade e compreensão entre as pessoas, que podem transformar o dia a dia de todos criando uma vida repleta de instantes amenos e dignos.
Abaixo algumas fotos da Novela, que originalmente tem 101 minutos de duração e que, com a masterização ficou com 96 minutos. 

ANTONIO TADEU E SUELI ARAÚJO

PLACA ALUSIVA A VILA ONDE SE DESENVOLVE A TRAMA 

CARLOS EDUARDO CAMPOS E ROBERTO A. MARINHO

VIRGINIA LOPES E CLAUDIO TANJONI

ANTONIO TADEU NO PERSONAGEM DR. GUIMARÃES 
COM SUAS INQUILINAS

GILBERTO PANDOLFE REPRESENTA O PADRE DA COMUNIDADE
CARLOS EDUARDO CAMPOS E REGINA CUNHA JOÃO

ROBERTO A.MARINHO E GERCIO TANJONI



quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Fase Experimental da sonorização

Foi um momento que durou de dezembro de 1979 a Maio de 1980, quando o grupo produziu e sonorizou pequenos filmes experimentalmente. 
No final de 1979, a MISTIFILMES adquiriu um projetor sonoro, um tripé e uma filmadora mais sofisticada - equipamentos usados - através do Fotoshop Isnard. 
O Fotoshop era uma loja especializada de Cine Foto localizada na Alameda Barros, bairro de Santa Cecilia, São Paulo, e o gerente era o Sr. Adelino Antonio Fernandes , pessoa extremamente profissional e gentil, que disponibilizava equipamentos usados e revisados para os clientes que não podiam adquirir produtos novos. 

Loja do Fotoshop Isnard

Projetor Sonoro


Filmadora e Tripé


Adelino Antonio Fernandes

Um sorriso amigo e uma palavra de orientação sempre foi a filosofia deste homem, que muito me auxiliou em meus projetos de super 8 e vídeo, ajudando-me na compra de equipamentos e fornecendo-me informações técnicas importantes. 
Ele trabalhou no Fotoshop Isnard até 1982 e depois, entre 1983 e 1986 no Foto Kosmos; a partir de 1982 começou a trabalhar com video na empresa Fotoazul.
Fez diversos filmes profissionais em 16, 8 e super 8 mm, e ainda trabalhos em video.




Desta forma, a MISTIFILMES conseguiu sair do patamar do cinema mudo para o sonoro, e embora utilizasse ainda filmes não sonoros, eles podiam ser  disponibilizados para sonorização através de uma banda magnetica que era aplicada em sua lateral.
Quem fazia esse trabalho era o Sr. Henrique Verona, que tinha inventado um equipamento que colocava adequadamente as bandas magnéticas nas delicadas peliculas de super 8.
Depois, os filmes tinham que ser sonorizados com musicas, ou narrados.
Em casos posteriores, o grupo começou a se utilizar de dublagem para sofisticar mais seus trabalhos.


Henrique Verona




Primeiros trabalhos da Mistifilmes


No início das atividades da Mistifilmes os filmes eram realizados com imagens sem sonorização. 
Devido aos poucos recursos que o grupo dispunha, as projeções eram realizadas com auxilio de um gravador mini cassete que continha uma trilha sonora musical especialmente escolhida para as imagens. 
Os equipamentos utilizados pelo grupo eram emprestados por Washington Morais, que já realizava seus experimentos pessoais em super 8. Eram equipamentos bem simples, e o grupo só adquiriu idênticos vagarosamente.

Primeira filmadora

Primeiro projetor

Coladeira de filmes para edição



Gravador utilizado para trilha sonora


A fase do cinema mudo durou até 1979 quando o grupo Mistifilmes conseguiu adquirir um projetor sonoro. Então, todos os filmes dessa primeira fase foram sonorizados de acordo com as trilhas originais que eram utilizadas nas exibições.
Abaixo, os filmes dessa primeira fase:





CAMINHOS
1975

CAMINHOS foi o primeiro filme Super 8 realizado pela Mistifilmes.
O filme mostra o conflito interior do Homem diante de si mesmo e da sua consciência. Há uma mácula profunda, que um dia brota e aparece por trás de sua aparente paz. Neste momento difícil ocorre o encontro com Cristo. Somente depois de enxergar  seu próprio sofrimento, o homem é capaz de tirar Cristo da cruz.
Surge então o Cristo novo, sem feridas, verdadeiro, mas que logo precisa partir, deixando o Homem, agora maduro, possa assumir a carga dos seus próprios erros, destruindo a cruz de sofrimentos que ele viu refletida em si mesmo.
Duração: 12 minutos

Roteiro: Gercio Tanjoni e Eduardo Sanches
Direção: Gercio Tanjoni
Maquiagem: Hércules Delmond
Apoio Artístico: Antonio Carlos Sanches
Assessoria Técnica : Carlos Soares Rosa e Ruth Veríssimo.
Participação Artística: Eduardo Sanches e Sílvio Cândido Souza.



CIRANDA
1975


CIRANDA foi o segundo filme super 8 realizado pelo grupo MISTIFILMES.
Empolgado com a experiência do primeiro trabalho super 8 do grupo - CAMINHOS - Washington Morais decidiu escrever um roteiro baseado em suas concepções de vida.
CIRANDA é na verdade uma contraposição àquele primeiro filme, mostrando a luta do homem entre o Bem e o Mal.
Esses dois extremos mostram a ciranda dos seres humanos, que são sempre obrigados a optar por extremismo em suas ações.
Duração: 8:15 minutos

A fórmula apresentada por Washington mostra seu conceito pessoal, de convivência pacífica com esses dois aspectos, sem com isso se sentir culpado.
Texto – Washington Morais
Direção – Gercio Tanjoni
Câmera - Carlos Rosa
Maquiagem e figurino - Ruth Verissimo
Participação artística - Washington Morais, Hassan Ayoub, Ornilo Alves Costa Jr., Lucília Pereira de Morais, Kátia da Costa, Tânia da Costa e Marcos Pasquantonio.



O MESTRE
1975


O roteiro do filme O MESTRE foi escrito a partir da própria filosofia de vida de Olympio Simões, constituindo-se acima de tudo em um documento sobre seu mundo interior.
O filme constituiu-se em um momento mágico, de rara vibração, mostrando que as chaves do mundo estão na liberdade cristalina e transcendente da experiência e da oração.
As dificuldades vencidas pelo Mestre diante de seu discípulo são sempre respaldadas pela meditação e pela conexão com a Força Maior.
O Mestre parte mas deixa para seu discípulo o livro aberto de seus ensinamentos, para que possa seguir divulgando sua obra.
O filme foi escrito e roteirizado para documentar para a posteridade os pensamentos e a filosofia do artista Olympio Simões, grande amigo e mestre pessoal de Gercio.
Duração: 16:45 minutos

Texto e direção : Gercio Tanjoni
Filmagem e Edição: Carlos Soares Rosa
Assessoria Técnica: Washington Morais e Claudio Tanjoni

Participação artística: Olympio Simões, Gercio Tanjoni, Ana Maria Ribeiro e Ruth Veríssimo.


MEMÓRIAS
1976


Escrito por Ruth Verissimo dos Santos, o filme MEMÓRIAS mostra toda a tristeza e a melancolia de um artista diante de um mundo em constante mudanças, onde os valores primordiais da vida das pessoas se alteram.
Apesar da beleza de seu mundo interior, o protagonista representado por Gercio recorda aspectos de sua vida que infelizmente só existem dentro do contexto de suas Memórias.
Este trabalho foi quase que integralmente filmado no município de Guarulhos, na Cidade Seródio, numa região posteriormente destruída pelo crescimento da cidade, e que era repleta de paisagens maravilhosas e bucólicas.
Duração: 26:30 minutos

Roteiro e direção : Ruth Veríssimo
Arte Visual : Carlos Soares Rosa

Participação Artística: Gercio Tanjoni, Wilson Rogério de Souza, Ricardo Castro Jr., Tânia da Costa, Kátia da Costa, Kátia Cristina da Costa, Salovi Diosdato, Natanael Egídio Jr., Balbino Lázaro, Marcos Pasquantonio, Telma Gimenez, Cícero Cândido, Suzy Farjala, Anisia, Elizabeth Pires, Ivan Souza Alberto, Valdir Biffe, Claudio Tanjoni, Sílvio Cândido e Maria Estela Costa.




O INFINITO
1977

O INFINITO é um filme simbolista, onde cada imagem tem profundo significado espiritual.  Vítor é mostrado como um espírito desencarnado que ruma ao esclarecimento e à redenção. 
Conturbado e arrependido, ele vê seu passado desfilar diante de seus olhos, amargando o sabor de seu egoísmo.
Só depois de ajustar suas contas, ele pode caminhar para novos horizontes. 
O INFINITO, em seus vários estágios, é explorado por efeitos visuais dinâmicos que se aliam a uma pesquisa musical profundamente identificada com as imagens. O filme foi produzido a partir da pesquisa de vários livros espíritas, sendo baseado principalmente em teorias kardecistas; por esse motivo serviu para diversos debates em centros de estudo espiritualista, pois aborda principalmente assuntos ligados ao karma, reencarnação e a vida pós morte.
Duração: 23:50 minutos

Roteiro: Gercio Tanjoni
Direção: Ruth Veríssimo
Arte visual : Carlos Soares
Participação artística: Gercio Tanjoni, Claudio Tanjoni, Sílvio Cândido, Cícero Cândido Souza, Ruth Veríssimo, Nelson Calixto, Pedro Tanjoni, Maria da Costa e João Pasquantonio.
Participação especial: Cãozinho Póli.


UM NOVO HORIZONTE
1977


UM NOVO HORIZONTE mostra a vida de dois nômades na década de 60 quando eram fortes as influências “hippies” sobre a juventude.
É o filme de uma geração que queria “botar o pé na estrada” a procura de um sentido para suas vidas, algo que eles próprios não sabiam ao certo distinguir o que poderia ser.
Não que estivessem a procura de algo novo, eles simplesmente queriam fugir de coisas que estavam apodrecendo, como a sociedade de consumo e o sistema que ela impunha às pessoas.
Duração: 15:35 minutos

Texto e Direção- Washington Morais
Filmagem - Carlos Rosa
Participação Artística - Ruth Verissimo, Claudio Tanjoni, Orestes Camargo Jr, Lucilia Pereira de Morais e Cícero Cândido, além de diversos extras.

Assessoria técnica - Claudio Tanjoni



SONHO CLÁSSICO
1978

SONHO CLÁSSICO é considerada a obra prima visual da Mistifilmes dentro da primeira fase, a do cinema mudo.
Com cenas produzidas em cenários naturais e em dias límpidos de outono, SONHO CLASSICO harmoniza suas paisagens coloridas com um lirismo incomum. O romance entre o pintor e sua musa esbarra nas convenções sociais e nos planos de casamento feito pelo pai dela. 
O filme tem uma mensagem amena, onde a presença espiritual da musa permanece com o pintor dando-lhe forças para a continuidade de sua obra.
Duração: 29:30 minutos

Roteiro: Gercio Tanjoni
Fotografia : Carlos Rosa
Assessoria Técnica: Ana Maria Ribeiro, Ruth Veríssimo e Cícero Cândido.Participação Artística: Silvio Cândido, Kátia da Costa, Pedro Tanjoni, Tania da Costa, Ana Maria Ribeiro, Ruth Verissimo e Gercio Tanjoni.




A ILUSÃO
1979

A ILUSÃO encerrou a primeira fase da Mistifilmes, a do cinema simbolista mudo, que durou 4 anos.
O filme está dentro da linha mais tradicional do grupo e pretendeu ser um alerta a respeito das ilusões humanas. 
Representado por uma simples bexiga, o sonho do protagonista, enquanto inacessível é doce e maravilhoso; perseguido com incessante obsessão, é enfim alcançado, quando se quebram todas as barreiras que dele o separavam.  
É com grande pesar porém que o protagonista, ao tocar seu sonho, vê-lo desintegrar-se, mostrando que era apenas uma ilusão; pior que isso, tem que viver com as conseqüências de sua posse.
Duração: 18 minutos

Participação Artística: Cícero Cândido de Souza, Sílvio Cândido, Wilson Rogério,  Ricardo Castro Jr.



UMA VOLTA AO PASSADO
1979

UMA VOLTA AO PASSADO é um despretensioso ensaio artístico de Washington Morais, que criou um trabalho bem característico, com a marca de seu estilo em super oito.
O filme mostra um personagem que reconsidera sua vida afetiva, escrevendo e lembrando de vários fatos. 
Nesse contexto a vida de outras pessoas é também relembrada, em meio a vários reflexões.
Este filme foi o ultimo trabalho não sonoro  do grupo.
Duração: 10 minutos

Roteiro– Washington Morais
Direção – Gercio Tanjoni
Participação Artística: Washington Morais, Kátia da Costa, Italina Pasquantonio, Carmela Franzese, Silvio Donizetti, Marcos Pasquantonio e Claudio Tanjoni.